terça-feira, 24 de fevereiro de 2015


O QUÊ VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?

Não se preocupem: não estou pretendento constrangê-los a “tocar piano p’rá titia ver”.
Ando apenas preocupada com o aparente ALVO DO DESEJO de muitos; maioria?...
Me limito a dizer 'muitos', porque tenho amigos de todas as idades.
São tantas idades ao meu redor, e dialogo com uma diversidade tamanha delas, que perdi  a noção de qual é a minha própria  idade, o que me diverte imensamente...
Supostamente idades diferentes desejariam coisas diferentes.
Vejo o alvo dos desejos dessa paleta etária se unificar, se pasteurizar cada vez mais: muitos, mesmo de idades diferentes, desejam O QUE ESTÁ FORA.
Daí, VALORIZAM prioritariamente o que está fora, claro.
O fora está pintado de dourado pelo olhar da maioria desejante.
Se o que está fora se mantiver como a grande prioridade pintada de dourado, as humanidades estarão sob uma ameaça tão funesta quanto a ameaça nuclear.
Afinal, para ser uma coisa que deseja coisas, não é necessário valorizar, aplaudir, admirar, desenvolver  o que mereça o nome de Humano.
Basta passar a existência como se fosse um pedaço de granito a mais na paisagem. Meio 'pobre' para o meu modesto gosto...
Seria isso o triunfo de um Estado tirânico dissimulado (ou não)?
Seria isso o triunfo de um Mercado que se esmera em manipulações?
 Até a "culpa" do fenômeno estaria FORA?...
Se optássemos por substituir "culpa" por RESPONSABILIDADE, significaria isso o triunfo do apequenamento do alvo existencial de “gente muito mixuruca”?
Gosto de gente, e minha esperança não esmorece: LOGO, nada me faria acreditar num "repentino emixurucamento da espécie"...
No máximo acredito num ‘emixurucamento’ do VALOR DO EXERCÍCIO DA REFLEXÃO; mas quem volta a olhar para dentro repara isso em dois tempos!
Por que o que está fora deveria eliminar o valor, o potencial de aplauso, o prazer do assombro, e o entusiasmo pelo desenvolvimento DO QUE ESTÁ DENTRO, se um foco NÃO elimina o outro?...
Particularmente prefiro os alvos mais amplos, já que brigo diariamente comigo mesma para ser o mais ampla possível; olhos amplos, foco amplo, alvo amplo.
E você? Tem tem por hábito avaliar como vai a noção do tamanho dos seus olhos, do seu poder de foco, do seu alvo?
Minha curiosidade sem idade, e treinada profissionalmente, me obriga a perguntar, mas não precisa me responder.
Um dia cheio de curiosidade e dentros para todos.

IMAGEM, ensaio fotográfico temático da modelo russa Zoisite Virupaksha.


2 comentários:

Helda Salles disse...

PARABÉNS PELO SEU BLOG!!
Gostei muito

Helda Cruxen Chalita Salles

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Que bom, querida! OBRIGADA por isso TAMBÉM! Beijos!